Nós vamos escutá-la?


Papa Pio XII, Carta Encíclica Le Pèlerinage de Lourdes, 1957 (trechos)

Toda terra cristã é uma terra marial, e não há povo redimido pelo sangue de Cristo que não

goste de proclamar Maria sua mãe e sua padroeira. Relevo empolgante assume, todavia, esta verdade quando se evoca a história da França. O culto da Mãe de Deus remonta às origens da sua evangelização (...). Os acontecimentos que então se desenrolaram em Lourdes, e cujas proporções espirituais melhor medimos hoje, são-vos bem conhecidos. Sabeis, caros filhos e veneráveis irmãos, em que condições estupendas, apesar de zombarias, de dúvidas e de oposições, a voz daquela menina, mensageira da Imaculada, se impôs ao mundo. Sabeis a firmeza e a pureza do testemunho, experimentado com sabedoria pela autoridade episcopal e por ela sancionado desde 1862. Já as multidões haviam acorrido e não têm cessado de precipitar-se para a gruta das aparições, para a fonte milagrosa, para o santuário elevado a pedido de Maria. É o comovente cortejo dos humildes, dos doentes e dos aflitos; é a imponente peregrinação de milhares de fiéis de uma diocese ou de uma nação; é a discreta diligência de uma alma inquieta que busca a verdade... (...) Numa sociedade que não tem lá muita consciência dos males que a corroem, numa sociedade que vela as suas misérias e as suas injustiças sob aparências prósperas, brilhantes e descuidosas, a Virgem imaculada, por quem o pecado jamais roçara, manifesta-se à uma menina inocente. Com compaixão maternal percorre com o olhar este mundo redimido pelo sangue de seu Filho, onde, infelizmente, o pecado faz cada dia tantas devastações, e por três vezes lança o seu apelo premente: "Penitência, penitência, penitência!" Gestos expressivos são, mesmo, pedi-dos: "Ide beijar a terra em penitência pelos pecadores". E ao gesto há que juntar a súplica: "Rogareis a Deus pelos pecadores". Tal como no tempo de João Batista, tal como no início do ministério de Jesus, a mesma injunção, forte e rigorosa, dita aos homens a trilha da volta a Deus: "Arrependei-vos" (Mt 3, 2; 4, 17). E quem ousaria dizer que esse apelo à conversão do coração perdeu, nos nossos dias, a sua atualidade?
Mas poderia a Mãe de Deus vir a seus filhos senão como mensageira de perdão e de
esperança? Já a água lhe jorra aos pés: "Ó vós todos que tendes sede, vinde às águas e
recebereis do Senhor a salvação".(17) Àquela fonte onde, dócil, Bernardete foi a primeira a ir
beber e lavar-se, afluirão todas as misérias da alma e do corpo. "Lá fui, lavei-me e vi" (Jo 9,11), poderá responder, como o cego do evangelho, o peregrino agradecido. Mas, tal como para as turbas que se comprimiam em volta de Jesus, a cura das chagas físicas ali fica sendo, ao mesmo tempo que um gesto de misericórdia, o sinal do poder que o Filho do Homem tem de perdoar os pecados (cf. Mc 2,10). Junto a gruta bendita, a Virgem nos convida, em nome de seu divino Filho, à conversão do coração e à esperança do perdão. Escutá-la-emos?

Fonte:vatican.va
Share on Google Plus

Sobre os comentários no site da Congregação Mariana da Anunciação - Santos - SP

Caso deseje comentar, utilize a caixa de comentários do Facebook, logo abaixo. Não serão permitidos comentários ofensivos ou contrários à fé católica. Salve Maria!
    Blogger Comment
    Facebook Comment