Honra a Deus quem Nele confia


Uma das coisas em que mais desagradamos a Deus é a pouca confiança nele. Este defeito provém de não considerarmos bastante o que nos foi dado no mistério da Encarnação, e o que um Deus  feito homem fez pelos homens. Porque Deus de tal maneira amou o mundo, que lhe enviou o seu Filho unigênito. Se Ele não poupou ao seu próprio Filho e o condenou à morte para nos salvar, o que não nos dará ele depois disto? (Jo 3, 16; Rm 8, 32)
Se o filho de um rei quisesse morrer para expiar o crime de um vassalo que muito amasse? Ou se um rei oferecesse a vida de seu filho para salvar a de um seu favorito, seriam atos de misericórdia admiráveis. Mas que este filho quisesse morrer e seu pai oferecesse a vida dele por seu único e mortal inimigo, então seria um excesso inconcebível de misericórdia e de bondade; entretanto, foi o que Deus fez dando o seu Filho único à natureza humana, sua inimiga, não somente para salvá-la, mas ainda elevá-la ao trono da Divindade. Foi o que fez o Filho de Deus, que, podendo salvar os homens com uma palavra, com uma lágrima, com um suspiro, quis merecer-lhes a graça da salvação por meio de uma vida tão trabalhosa e pobre, como a que levou, e sofrendo morte tão cruel e ignominiosa como a que padeceu!
Depois disso, não teremos confiança em tal misericórdia? Não esperaremos que um Redentor tão cheio de bondade, que nos remiu com o preço do seu sangue precioso, nos livre dos nossos pecados e imperfeições? A desconfiança desagrada imensamente a Deus, sobretudo quando vem de criaturas a quem concedeu graças extraordinárias.
Foi em castigo de uma ligeira desconfiança que Moisés não entrou na terra da promissão1. Morreu, tendo avistado esta terra tantas vezes prometida e tão ardentemente desejada. Mas não entrou nela e Deus não se deixou comover por nenhuma oração.
Ofendemos a Deus quando dizemos: “Quando me tornarei indiferente? Quando terei o dom da oração?” Como se Deus fosse pobre ou avaro2 de seus dons! Como se ele mesmo não tivesse empreendido a nossa perfeição! Cumpramos unicamente a sua vontade, cooperemos com suas graças, procuremos purificar o nosso coração e confiemos, que nada nos há de faltar.
Muitos não conseguirão chegar a grande perfeição, porque não confiam bastante. Devemos ter grande e inabalável confiança, estribada3 na misericórdia e na bondade infinita de Deus, e nos merecimentos infinitos de Jesus Cristo. “Sois vós, Senhor, o único amparo da minha confiança” (Sl 4, 10)
Devemos confiar e esperar de Deus grandes coisas, porque os merecimentos de nosso Senhor nos pertencem. Muito honra a Deus quem muito nele confia e quanto mais confiarmos em Deus, tanto maior honra lhe daremos.
1.Dada em promessa -- 2.Mesquinho, sem generosidade --  3.Apoiada, fundamentada


Fonte: Pe. Luiz Lallemant, sj – Vida e Doutrina Espiritual – Editora Vozes, 1940 – do acervo da biblioteca da Congregação Mariana da Anunciação
Share on Google Plus

Sobre os comentários no site da Congregação Mariana da Anunciação - Santos - SP

Caso deseje comentar, utilize a caixa de comentários do Facebook, logo abaixo. Não serão permitidos comentários ofensivos ou contrários à fé católica. Salve Maria!
    Blogger Comment
    Facebook Comment