MARIA, MÃE DE JESUS CRISTO, O PERPÉTUO SOCORRO


Esta Devoção [a Maria] é um meio seguro para ir a Jesus Cristo, porque é próprio da Santíssima Virgem conduzir-nos com segurança a Ele, como é próprio de Jesus conduzir-nos seguramente ao Eterno Pai. E que os espirituais não caiam no erro de pensar que Maria seja um impedimento para chegar à união divina. Seria possível que Aquela que achou graça diante de Deus, para todos em geral e para cada um em particular, fosse obstáculo a uma alma para encontrar a grande graça da união com Deus? Seria possível que Maria pudesse impedir uma alma de se unir perfeitamente a Deus, visto que Ela foi cheia e superabundou em graças, e que viveu tão unida e transformada em Deus que Ele teve de se encarnar n'Ela?

É bem verdade que a visão de outras criaturas, embora santas, poderia talvez retardar a união divina em certas circunstâncias, mas jamais Maria, como já disse e não me cansarei de repetir. Uma das razões porque tão poucas almas atingem a plenitude da idade de Jesus Cristo é que Maria, que é, hoje como sempre, a Mãe do Filho e a Esposa fecunda do Espírito Santo, não está suficientemente formada nos corações. Quem deseja possuir o fruto bem maduro e formado deve ter a árvore que o produz. Quem deseja o fruto de vida, Jesus Cristo, deve ter a árvore de vida, que é Maria. Quem quer ter em si a ação do Espírito Santo, deve ter a sua fiel e indissolúvel Esposa, Maria Santíssima, que o torna fértil e fecundo, como já dissemos noutro lugar (nn. 20-21).

Estejamos, portanto, certos de que quanto mais presente tivermos Maria nas nossas orações, contemplações, ações e sofrimentos - se não puder ser de um modo distinto e preceptível, que seja pelo menos de uma maneira geral e implícita -, tanto mais perfeitamente encontraremos Jesus Cristo. Ele está sempre em Maria, grande, poderoso, operante e incompreensível, mais que no Céu ou em qualquer outra criatura do universo. Assim, Maria Santíssima, toda mergulhada em Deus, está bem longe de se tornar um obstáculo para os perfeitos chegarem à união com Deus. Aliás, é todo o contrário: não houve até hoje nem jamais haverá criatura alguma que nos ajude mais eficazmente nesta grande obra, seja pelas graças que para este efeito nos comunica - pois como diz um santo, “ninguém é cheio do pensamento de Deus senão por Ti” -, seja por garantir-nos contra o espírito maligno em suas ilusões e trapaças.

Lá onde está Maria, não pode estar o espírito maligno. Um dos sinais infalíveis de que uma alma é conduzida pelo bom espírito é que possua uma grande Devoção a Maria, e que pense e fale n'Ela. É esta a opinião dum santo, que acrescenta que assim como a respiração é um sinal certo de que o corpo não está morto, assim o pensamento freqüente e a amorosa invocação de Maria é a prova de que a alma não está morta pelo pecado.

Trecho da obra “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria”, de São Luís Maria Grignion de Montfort (1673-1716), congregado mariano.
Share on Google Plus

Sobre os comentários no site da Congregação Mariana da Anunciação - Santos - SP

Caso deseje comentar, utilize a caixa de comentários do Facebook, logo abaixo. Não serão permitidos comentários ofensivos ou contrários à fé católica. Salve Maria!
    Blogger Comment
    Facebook Comment