Maria, a Santa Mãe de Deus

Por Carlos Caso-Rosendi
Tradução de Carlos Martins Nabeto
Somos apresentados a Maria no primeiro capítulo do Evangelho segundo São Lucas. Um anjo é enviado por Deus para lhe anunciar que viria a se tornar a Mãe do Messias, o eterno Rei de Israel.

Lucas 1, 26-29 — "No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. Entrando onde ela estava, disse-lhe: 'Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!' Ela ficou intrigada com essa palavra e pôs-se a pensar qual seria o significado da saudação".

Maria, uma jovem donzela, estava comprometida em casamento a um homem chamado José. Maria fica intrigada com o estranho modo de saudação que o anjo usa. Ela é saudada como alguém de grande importância, embora ela saiba que é somente uma jovem donzela que vive em uma pequena cidade da Galiléia. O anjo a chama de "cheia de graça", indicando que não tem necessidade ou espaço para mais favores divinos diferentemente de outros seres humanos. Não tem necessidade de perdão, nem tampouco pode receber honra e glória maiores daquelas que já possui. Este ponto é muito importante. Pelas palavras do Anjo — na verdade, pela Palavra inspirada de Deus — ficamos sabendo que Maria foi colocada, pela superabundante graça de Deus, no ápice da criação e perfeição. Isto foi feito em preparação para o seu papel na História da Salvação. É importante observar que Maria não tinha consciência do seu destino até este momento. O anjo precisou informar os planos que Deus tinha para ela, para que ela então pudesse aceitar ou rejeitar sua missão.


Lucas 1, 30-33 — "O Anjo, porém, acrescentou: 'Não temas, Maria! Encontraste graça junto de Deus. Eis que conceberás no teu seio e darás à luz um filho, e tu o chamarás com o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; ele reinará na casa de Jacó para sempre e o seu reinado não terá fim'".

Jesus e os anjos frequentemente empregam a frase "não temas" em suas aparições sobrenaturais (Mateus 28, 10; João 14, 27). O Anjo diz a Maria que ela foi favorecida por Deus com a graça extraordinária para ser a Rainha de Israel, a "gebirah" ou "Grande Senhora". No antigo Israel era a mãe do Rei que sentava no trono da Rainha (1Reis 2, 19). O anjo descreve todos os atributos do mui aguardado Messias, mencionando especialmente que ele "reinará na casa de Jacó", ou seja, sobre todas as tribos de Israel e não apenas sobre a tribo de Judá. Ouvindo isto, Maria soube imediatamente que o seu Filho seria o Messias e que ela estava destinada a ser a eterna Rainha de Israel.

Lucas 1,34 — "Maria, porém, disse ao Anjo: 'Como é que vai ser isso, se eu não conheço homem algum? '"

Esta pergunta de Maria é bastante reveladora. Lucas havia nos dito que ela fora prometida em matrimônio a um homem chamado José. Pois bem: se Maria pretendesse ter relações conjugais com o seu futuro marido, ela não teria nenhuma razão para fazer uma pergunta como essa. Ao contrário, teria assumido normalmente que ela e José iriam ser os pais do Messias após terem se casado. No entanto, ela pede respeitosamente ao anjo para que lhe explique como o seu Filho será concebido. A forma mais razoável para se explicar esta questão é concluir que Maria tinha consagrado a sua virgindade a Deus e não esperava ter relações conjugais com o seu futuro esposo. A prática de alguém consagrar sua virgindade a Deus é bem atestada na cultura judaica dessa época. Há alguns precedentes bíblicos, como a filha do juiz Jefté (Juízes 11, 34-40) e a profetiza Ana, que se consagrou a Deus após tornar-se viúva em idade relativamente jovem (Lucas 2, 36-37; 1Coríntios 7, 23-40). Para ser uma testemunha perfeita e eterna do poder de Deus, a virgindade de Maria deveria ser também eterna. Seu voto para permanecer virgem durante toda a sua vida pode ser claramente deduzido da sua pergunta ao mensageiro angélico.

Lucas 1, 36-37 — "Também Isabel, tua parente, concebeu um filho na velhice, e este é o sexto mês para aquela que chamavam de estéril. Para Deus, com efeito, nada é impossível".

O anjo então explica a Maria como Jesus será concebido. Ele também informa que Isabel, a mãe de João Batista, também concebeu miraculosamente um filho em sua velhice. Vemos aqui, em ambas as mulheres, os tipos representativos da Antiga e da Nova Aliança. Maria terá um filho enquanto é bem jovem e ainda não formalmente casada; Isabel, por outro lado, espera um filho apesar da sua idade bem avançada.

Lucas 1, 38 — "Disse, então, Maria: 'Eu sou a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!' E o Anjo a deixou".

Esta passagem nos mostra como Maria aceita humildemente a missão que Deus lhe confia. Ela ficará grávida antes de se casar, algo que é, por sua vez, vergonhoso e perigoso. Mesmo assim, ela não se preocupa consigo, mas confia todos os detalhes a Deus. O Anjo não vai embora enquanto não ouve a aceitação de Maria. Vemos aqui que Maria é modelo de obediência e que Deus respeita o livre arbítrio humano. Maria era livre para não aceitar a oferta de Deus, mas aceitou não obstante todos os problemas e perigos que a sua missão poderia lhe causar.

Lucas 1, 39-45 — "Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente a uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Ora, quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou: 'Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre! Donde me vem que a mãe do meu Senhor me visite? Pois quando a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria em meu ventre. Feliz aquela que creu, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor será cumprido!'".

Isabel é um modelo profético da Antiga Aliança. Seu filho, João Batista, será o último profeta de Israel assim como Jesus será o primeiro profeta da Nova Aliança e o maior profeta de todos os tempos. Com efeito, a partir desta passagem, podemos compreender que Maria é um tipo de representação da Igreja, cuja missão é entregar Jesus para a salvação do mundo. Em Isabel podemos enxergar um modelo da Antiga Aliança de Deus com Israel. Assim como a Antiga Aliança aponta profeticamente para o Messias, o mesmo fazem Isabel e seu filho João Batista. Em Gálatas 3, 24-26, o apóstolo Paulo ensina que a Lei Mosaica - a Antiga Aliança - é uma pedagoga que nos conduz a Cristo. Isabel chama Maria de "a mãe do meu Senhor", apontando para Jesus da mesma forma que seu filho João Batista apontará posteriormente. Mesmo sendo um bebê no ventre de Isabel, João Batista obtém permissão do Espírito Santo para reconhecer a voz de Maria.

Este fato está bem atestado nas Escrituras para nos mostrar que aqueles que são movidos pelo Espírito Santo reconhecem em Maria a fortíssima proximidade de Jesus. A bênção de Isabel — "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre!" — foi incorporada para sempre na antiga oração da Igreja, a Ave Maria.

Lucas 1, 46-48 — "Maria, então, disse: 'Minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito exulta em Deus meu Salvador, porque olhou para a humilhação de sua serva. Sim! Doravante as gerações todas me chamarão de bem-aventurada'".

Aqui Maria inicia o seu "Magnificat", uma bela oração de louvor inspirada na oração similar chamada Canção de Ana (1Samuel 1, 2-11). Ana também tinha sido uma mulher estéril como Isabel. Ela foi favorecida por Deus e teve um filho, o grande profeta Samuel, que posteriormente ungiu Davi como rei de Israel (1Samuel 16, 11-13). Do mesmo modo, João Batista foi designado por Deus para batizar Jesus no rio Jordão (Marcos 1, 9). Após sua unção, Davi estabeleceu o reino de Israel; paralelamente, após seu batismo, Jesus inicia o seu ministério e estabelece a Igreja: o Reino Eterno de Deus. Estas passagens ressaltam a importância central de Maria no cumprimento das antigas promessas de Deus, em Cristo.



Fonte do texto: http://arca-da-graca.blogspot.com.br
Fonte da imagem: http://maria-maedejesus.blogspot.com.br/
Share on Google Plus

Sobre os comentários no site da Congregação Mariana da Anunciação - Santos - SP

Caso deseje comentar, utilize a caixa de comentários do Facebook, logo abaixo. Não serão permitidos comentários ofensivos ou contrários à fé católica. Salve Maria!
    Blogger Comment
    Facebook Comment